' ANGICO NO AR: ‘Não aconteceu nada de grave além da morte de detentos’, diz governador sobre Alcaçuz

sábado, 21 de janeiro de 2017

‘Não aconteceu nada de grave além da morte de detentos’, diz governador sobre Alcaçuz

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), disse nesta sexta-feira (20) que só pediu auxílio federal para conter o clima de insegurança gerado pela crise penitenciária, que teve início com o massacre de pelo menos 26 presos na penitenciária de Alcaçuz, porque enquanto a rebelião estava limita à unidade "não aconteceu nada de grave além das mortes” dos detentos. O questionamento foi motivado pela declaração do ministro da Defesa, Raul Jungmann, de que o apoio só chegou sete dias depois do início da crise em Alcaçuz porque o governador só havia pedido o reforço na quinta (19). Faria, entretanto, afirmou que fez o pedido ao presidente da República, Michel Temer, na quarta-feira (18), por causa dos ataques a veículos e prédios públicos iniciados depois da transferência de mais de 200 presos de Alcaçuz para outras unidades. “Isso é uma discussão de uma cronologia de 24 horas. E eu pedi a ajuda das forças federais porque começou a acontecer ocorrências nas ruas. Quando estava restrito à briga dentro do presídio o próprio governo estava enfrentando, e com coragem e com toda a logística, que não aconteceu nada de grave além da morte dos principais membros das facções”, alegou. Faria também avaliou que a melhor alternativa para resolver os problemas estruturais de Alcaçuz – desde 2015 não existem grades nas celas, deixando os detentos livres para circularem nos pavilhões – seria a desativação da unidade e transferência da massa carcerária para novos prédios. A localização "turística”, segundo o governador, não deveria ter sido escolhida para a construção do presídio, inaugurado em 1998. "Hoje tem que ser um novo presídio, até porque foi construído em cima de uma duna, foi um grande equívoco da época. Acho muito melhor fazer um deslocamento, hoje ali é uma área turística, tem muitas casas no entorno, tem lagoa, tem praia, é uma área que não cabe mais o presídio, tem que levar para uma área muito mais distante, isolada”, defendeu.
Fonte: Bahia Noticias